7 de abr de 2011

SP - Uma cidade de todos

R. Alagoas - Faap


TEXTO E FOTOS FERNANDO COSTA NETTO
A frota automobilística de São Paulo completou esses dias 7 milhões de carros e motocicletas. Vivemos no sexto maior conglomerado do planeta. Vinte milhões de seres heterogêneos vão e voltam 24 horas por dia e dão forma a quarta maior aglomeração urbana do mundo, uma rua e um trânsito mal educados e não recomendados para pessoas muito tímidas. Em um minuto você pode dar um beijo em alguém e tomar uma surra do asfalto. Uma cidade temperamental, geralmente infernal e barulhenta, com altos índices de poluição. Para a gente, o conjunto dessas vias desnudadas, transmite a sensação do surreal, de algo fantasmagórico, como num filme de ficção científica pós apocalipse.
Esquecendo todo o resto e analisando apenas o espaço, São Paulo pega dessa forma desagasalhada se mostra uma cidade até que verde e humana, digna de pensamentos interessantes. E se essa revolução não tivesse volta? E nós, consumidores de gente, como que fazer para devorar um semelhantezinho? Sobre o que a Folha de São Paulo iria falar amanhã? Ou quem os vereadores iriam enganar? Privados da progressão fulminante da vida moderna, a gente ia enlouquecer na boa, de repente livres das garrafas PET, das filas no Bradesco, do louco com o treizoitão [agora aposentado pela PM] na mão, do excesso de informação, da concentração que um simples cruzamento sob semáforo vermelho exige do motorista... e retomaríamos a um ritmo mais uruguaio de vida, que não sei qual é, nunca estive lá, mas me disseram ser de uma calma insuportável.
 
Este ensaio foi feito em 3 manhãs enquanto São Paulo curtia a ressaca das festas do final do ano e do feriado prolongado. Peguei o carro e dirigi pela Marginal Pinheiros, Rebouças, Amaral Gurgel, Pacaembu, Sumaré, Faria Lima, Dr. Arnaldo, Heitor Penteado... e testemunhei a cidade sem viv’alma, sem automóveis circulando, um corpo livre do diabo. Essas fotos são puras, não há retoque de photoshop ou de qualquer programa de edição de imagem. Foram feitas com uma câmera Canon G10 e apenas tiveram as cores tratadas pela Carol, lá da Cia de Foto. No total são quase 40 espaços vazios na cidade. Aqui publicamos apenas algumas delas.
   

Av. Sumaré

R. Augusta X Al. Tietê

Av. Pacaembu

Av. Nações Unidas

Ladeirão do Pacaembu - R. Desembargador Paulo Passalacqua
 
Av. Paulista - Túnel José Roberto Fanganiello Melhem


Túnel Pacaembu


Um comentário:

  1. muito bacana a cidade vazia Fernando!
    singular!
    abraco
    Juan Esteves

    ResponderExcluir